Notícias » Política

 

Últimas notícias

  • 10/11 15:04 - Mais de 100 toneladas de lixo são encontradas em penitenciárias de Itamaracá

    Continuar lendo
  • 9/11 21:13 - Mega-Sena especial tem 3 sorteios e prêmio de R$ 55 milhões nesta semana

    Continuar lendo
  • 9/11 21:09 - Campanha contra câncer de próstata do Hospital Português vai atender até 300 homens

    Continuar lendo
  • 9/11 21:08 - Atentado com mulheres-bomba deixa 4 mortos no Camarões

    Continuar lendo
  • 9/11 21:06 - OAB fechará posição sobre apoio ou não ao impeachment no início de dezembro

    Continuar lendo
  • 9/11 21:04 - Relator setorial do Bolsa Família contraria Barros e rejeita corte

    Continuar lendo
  • 9/11 20:59 - UPE começa a divulgar os cartões de inscrição do SSA3

    Continuar lendo
  • 9/11 20:58 - Agência do Trabalho oferece vagas de emprego em Santa Cruz do Capibaribe

    Continuar lendo
  • 9/11 20:57 - Duas mulheres morrem após colisão entre carro e cavalo em Garanhuns

    Continuar lendo
  • 9/11 20:56 - Família diz que menino morreu atropelado por metrô no Recife

    Continuar lendo

Governo veta propagandas de papinhas, mamadeiras e chupetas

Quarta-feira, 4 de Novembro de 2015 às 20:09

A presidente Dilma Rousseff publicou nesta quarta-feira (4) decreto que veta a propaganda em veículos de comunicação, incluindo publicidade direta ou oculta, de alimentos e produtos considerados prejudiciais para a amamentação, como leite artificial, papinhas, mamadeiras e chupetas.

 


Pelas novas regras, publicada no "Diário Oficial da União" e regulamentada pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), as empresas ficam impedidas de realizar estratégias promocionais e oferecer descontos, prêmios e brindes na venda dos produtos e alimentos.

Elas também não poderão colocar nas embalagens fotos, desenhos e representações gráficas infantis e palavras ou denominações que identifiquem os produtos como os mais adequados para a alimentação das crianças, como "baby" ou "kids".

As embalagens dos produtos deverão ainda informar a idade adequada para a sua utilização e uma mensagem sobre a importância do aleitamento materno.

Segundo o governo federal, o objetivo da mudança é estimular o aleitamento materno no país e regular a alimentação para crianças de até três anos. As empresas e estabelecimentos terão um ano, a partir desta quarta-feira (4), para se adaptarem às novas regras.

O decreto estabelece ainda punições a quem descumprir com as novas recomendações, como interdição do estabelecimento comercial e multa que pode chegar a cerca de R$ 1 milhão.

Nesta terça-feira (3), na 5ª Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, a presidente elencou a diminuição à obesidade como uma das metas de seu segundo mandato.

Segundo ela, o governo federal conseguiu tirar o país do mapa da fome da ONU (Organização das Nações Unidas), mas agora é hora de enfrentar novos desafios, como a "epidemia de doenças recorrentes da má alimentação".

© Verdade FM
BRLOGIC