Notícias » Economia e Negócios

 

Últimas notícias

  • 10/11 15:04 - Mais de 100 toneladas de lixo são encontradas em penitenciárias de Itamaracá

    Continuar lendo
  • 9/11 21:13 - Mega-Sena especial tem 3 sorteios e prêmio de R$ 55 milhões nesta semana

    Continuar lendo
  • 9/11 21:09 - Campanha contra câncer de próstata do Hospital Português vai atender até 300 homens

    Continuar lendo
  • 9/11 21:08 - Atentado com mulheres-bomba deixa 4 mortos no Camarões

    Continuar lendo
  • 9/11 21:06 - OAB fechará posição sobre apoio ou não ao impeachment no início de dezembro

    Continuar lendo
  • 9/11 21:04 - Relator setorial do Bolsa Família contraria Barros e rejeita corte

    Continuar lendo
  • 9/11 20:59 - UPE começa a divulgar os cartões de inscrição do SSA3

    Continuar lendo
  • 9/11 20:58 - Agência do Trabalho oferece vagas de emprego em Santa Cruz do Capibaribe

    Continuar lendo
  • 9/11 20:57 - Duas mulheres morrem após colisão entre carro e cavalo em Garanhuns

    Continuar lendo
  • 9/11 20:56 - Família diz que menino morreu atropelado por metrô no Recife

    Continuar lendo

Taxa de juro no Brasil é pornográfica, diz presidente do Sebrae

Quarta-feira, 4 de Novembro de 2015 às 20:28

Em evento realizado pelo Banco Central, o novo presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos, afirmou nesta quarta-feira (4) que a taxa de juros no Brasil é "pornográfica".

A afirmação foi feita diante de praticamente toda a diretoria do BC, que é responsável por fixar ataxa básica de juros (Selic) no Brasil, hoje em 14,25% ao ano.

Uma das ausências no evento foi a do presidente do BC, Alexandre Tombini, que desmarcou de última hora sua participação na abertura do Fórum de Cidadania Financeira.

"A taxa de juros hoje, eu tenho dito que ela é pornográfica. Entre a taxa básica e a taxa de ponta, tem uma cadeia alimentar imensa", afirmou Afif, que deixou no mês passado o ministério das micro e pequenas empresas, extinto na reforma ministerial.

Taxa básica de juros (Selic)

"Eu queria dizer aos meus amigos do BC que nós temos uma distância muito grande a percorrer para o crédito chegar na ponta. Pena que meu amigo, o nosso presidente [Tombini], não está aqui presente hoje."

O presidente do Sebrae, cargo no qual foi empossado na semana passada, cobrou ainda do BC e do Ministério da Fazenda a adoção de uma proposta apresentada no início do ano para liberação de recursos dos depósitos compulsórios. O dinheiro seria direcionado obrigatoriamente ao crédito para capital de giro de pequenas empresas.

"A micro e pequena empresa precisa de oxigênio para atravessar este momento de crise. Ela ainda sustenta o emprego, com saldo positivo de 109 mil vagas criadas."

Pela proposta, seriam liberados R$ 40 bilhões para crédito a essas empresas. Segundo ele, a resposta recebida do BC foi um "estrondoso silêncio".

Questionado sobre o papel do BNDES no financiamento às empresas de menor porte, Afif disse que o banco estatal só libera dinheiro para empresas que estão acima do limite do Simples (R$ 3,6 milhões).

Ele disse ter questionado o presidente do BNDES, Luciano Coutinho, sobre os empréstimos a companhias com faturamento abaixo desse valor e recebido a resposta de que o banco estava com dificuldade de achar o dado.

Segundo Afif, o número não existe. "Ele só empresa para os maiores entre os pequenos. É uma taxa favorecida, mas para muito poucos."

Sobre o projeto que amplia o limite de Simples para R$ 7,2 milhões, aprovado em setembro pela Câmara e que tramita no Senado, o presidente do Sebrae disse acreditar na sua aprovação. E voltou a criticar a Receita Federal, que é contra.

"A Receita vai enfiar a faca onde ela puder enfiar. É uma visão restrita, fiscalista."

© Verdade FM
BRLOGIC